O Desapego nos Relacionamentos

10527902_701097139958608_2436112861911054011_n

Muitos interesses atuam no sentido de deturpar os conceitos que podem levar o homem ao caminho verdadeiro e a sua completa liberdade, e o desapego também não escapou disto.

O desapego nos relacionamentos vem sendo banalizado e divulgado como simples sexo livre.

Desapego não é falta de interesse nem falta de amor, mas apenas independência.

Imagine que você ganhe um carro maravilhoso, confortável e com tudo que poderia imaginar. Certamente terá muito prazer em dirigi-lo. Não há nenhum problema nisto, estamos aqui para ser felizes.

Mas se depois desfazer-se deste carro se tornar um problema, significa que você passou a depender dele. Aquele prazer que antes você não conhecia e não lhe fazia falta agora se tornou essencial para você. Você ficou viciado naquele prazer, apegou-se e depende dele. Esta é a fonte de todo o sofrimento. Você pode usar, mas não precisa ter, deve se manter livre e independente, ou todo prazer vai reverter em sofrimento.

Todo apego gera sofrimento.

No amor e nos relacionamentos pessoais vale a mesma regra. Você só estará pronto para amar verdadeiramente quando estiver bem sozinho, quando se bastar e não depender dos outros. Deve ser muito bom estar com a pessoa que ama, mas também deve ser muito bom estar sem ela. Seu amor não pode ser uma muleta.

“Quem não é um bom impar,
jamais será um bom par.”

Você também precisa entender que tudo que faz é por si mesmo, e não pelos outros, não deve esperar contrapartida.

Se quiseres preparar um café da manhã para a pessoa que ama, e surpreendê-la, faça-o e mergulhe todo seu ser nesta tarefa, absorva o prazer de cada instante, de cada detalhe da preparação. Entregue ao seu amor e curta cada detalhe, cada expressão do seu rosto, absorva aquilo e sinta todo o prazer que você merece. Depois, sinta-se satisfeito, compreenda que foi bom para você e que o outro não precisa retribuir. Não espere que lhe façam o café da manhã no dia seguinte. Se você não quiser repetir mais isso, não repita, mas também não cobre nada do seu amor. Você simplesmente fez o que queria e lhe deu prazer. Isto basta, acabou, não espera nada em troca. Você fez porque quis e foi bom para você ! Só isso ! Acabou !

Este é o amor incondicional, que não espera nada em troca, que não se apega porque respeita a liberdade do outro. Que ama a essência do outro e todas as suas formas de manifestação. Onde suprimir uma destas formas de manifestação é macular este amor, é destruir o que você ama.

Amar verdadeiramente é amar o outro em liberdade e não em uma gaiola.

Os que não entendem estes conceitos vão confundir isto com falta de interesse, porque só sabem viver no apego. Se apegam e se viciam em tudo que gostam e não conseguem entender como alguém pode gostar e não sofrer com uma perda.

Você deve amar ao outro como ser livre, sem posse e sem dependência. A sensação de posse vem da sua dependência, do medo de perder. Você não é livre porque depende e quer tirar a liberdade do outro para não perdê-lo.

Dependência não é amor, quem depende apenas usufrui. É apenas um vampiro. E dois vampiros formam apenas uma simbiose, mas nunca serão dois amantes.

“Dê a quem você ama:
asas para voar,
raízes para voltar
e motivos para ficar.”
Dalai Lama

Não há nada mais belo do que dois seres livres permanecerem juntos ligados pelo amor incondicional. Este é o verdadeiro amor, fiel pela sua natureza, que é a própria liberdade.

através de Prama Shanti, em 23/03/2015
(sobre a autoria …)

WDRcartazB01a500.jpg

Participe de nossos workshops, 
acelere a sua transformação de consciência,
seja mais Feliz e faça a diferença no mundo !

Para ver informações e depoimentos sobre nossos workshops,
clique nos links abaixo:

Prama Shanti: atendimento em São Paulo:

  • consultoria e aconselhamento;
  • atendimentos individuais com técnicas energéticas:
  • coerência cardíaca, respiração, meditação budista tradicional,
  • Tri-EB (reprocessamento da informação por estímulos bilaterais),
  • Reiki, imã-toque, cura prânica, cura quântica,
  • “Respiração dos 7 Chacras”,
  • alinhamento e energização dos chacras.
  • palestras gratuitas e cursos sobre espiritualidade.

Agende uma palestra gratuita em sua instituição.
Informações: pramashanti@gmail.com. 

Anúncios

112 opiniões sobre “O Desapego nos Relacionamentos”

  1. Nao consigo enxergar uma lógica de construção de relacionamento e nem uma forma de conhecermos a pessoa que decidimos estar dentro deste conceito de desapego. Acho que quando vivemos em um mundo tão egoísta, com pessoas egocêntricas e principalmente únicas, vivendo de forma tão intensa e na maioria das vezes, sem se darem conta de que são literalmente engolidas pelo capitalismo e suas peculiaridades, a disseminação do desapego, talvez não seja a solução que o mundo precise no momento. Este ponto de vista é agregador mas não para a maioria, acredito que este tipo de “amor” é algo muito utópico e aplicado apenas para alta sociedade ou para as sociedades mais primitivas e que carregam essa cultura em suas origens, não conheço ninguém que “ame” dessa forma ( gostaria de conhecer ) e ver se experimentalmente esses conceitos são agregadores quando aplicados.

    Curtido por 1 pessoa

    1. existe sim
      eu vivo um amor assim, muito prazer eu te garanto que é uma forma esplendida de sentir amor
      inigualavel
      fácil não é
      mais depois de algum tempo a sensação é perfeita
      vc ter alguem com os mesmos sentimentos teus, sem vc precisar deixar de ser quem vc é
      sem limites
      porem com respeito a esta libertade responsavel

      ilka – rj

      Curtido por 1 pessoa

  2. Há quatro anos estou tentando me desapegar de uma pessoa, que nunca me deu estabilidade afetiva. O lema dele é esse : desapego, liberdade. É uma pessoa bastante voltada pra si mesma e para os seus interesses. Tenho a impressão de que não faço falta na vida dele. É totalmente desapegado de mim. Isso, na prática, é muito difícil. Pois, embora eu seja independente dele e moremos em casas separadas, gosto muito dele, sinto falta dele, tenho expectativas de partilhar mais afeto, mais cumplicidade. Então, eu me sinto apegada, pois ele é totalmente desapegado, talvez desinteressado. Resolvi sair da relação, pois me sinto num vazio afetivo com ele. No entanto, está sendo dificíimo segurar esta decisão, pois estou somatizando a falta dele. E sei que ele é tão na dele que não vai me procurar. Tive uma crise de ansiedade, beirando a uma depressão por causa desta relação. O que posso fazer para me ajudar que não seja teórico, mas prático? Não tenho estrutura para me relacionar com alguém tão desapegado e, sem empatia comigo assim.

    Curtir

    1. Iolanda,
      o mais importante é que você se ame e consiga ser feliz sozinha. Aí poderá ter um relacionamento real, com desapego. Um relamento precisa ser mantido pelo amor, e amor não é apego.
      Sei que tudo isto é difícil de viver na prática, pois somos todos condicionados a agir com apego.
      Para uma mudança de atitude é necessário um pouco mais, por isto criei o workshop “O Desapego nos Relacionamentos”, e faço atendimentos com aconselhamento e trabalhos práticos.
      Se tiveres condições de fazer este workshop, lhe fará bem. Por favor entre em contato pelo email pramashanti@gmail.com
      Namastê !

      Curtido por 1 pessoa

  3. Parabéns Prama Shanti pela forma simples e objetiva de comentar um assunto tão espinhoso nos relacionamentos afetivos.
    Sempre pensei e defendi: “Aquele que eu amo, eu quero que seja livre – até mesmo de mim (Anne Spencer Morrow Lindbergh). Mas nunca tinha refletido a questão sob o enfoque do desapego.
    Gostei da mensagem transmitida por você.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Compreendo, aceito e vivencio, ao menos na maioria dos casos, o desapego. Não me assusta ficar sozinha, nunca me preocupei com isso. Na verdade, por medo ou cansada de sofrer, por anos escolhi ficar sozinha, me ocupando apenas com as questões mais prática da vida, sem qualquer sofrimento com a escolha que fiz. Hoje é um pouco diferente e quando leio sobre esse assunto me vem uma dúvida: desapego, em muitos casos, passa a ideia de ter que desligar-se de quem se gosta, psicológica ou emocionalmente Como trabalhar essa questão, sem que DESAPEGAR se transforme em DESLIGAR ou ESQUECER? A mim parecem separadas por uma linha muito tênue.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Solange !
      Na verdade Desapegar não é se desligar, esquecer ou não se importar, é muito diferente disto.
      O desapego real é muito mal compreendido.
      Desapegar-se de outra pessoa é antes de tudo amá-la verdadeiramente como um ser completo e livre. É enxergar a maravilha da criação nesta pessoa. É amar a sua essência e compreender que cada um tem o seu caminho.
      Tudo que é diferente disto é na verdade um apego egoísta, pois somos todos criados e formatados dentro deste egoísmo. A tal ponto que isto se torna normal e passa desapercebido.
      Quem não entende o desapego geralmente o confunde com falta de interesse, o que na verdade é um AMOR INCONDICIONAL.
      Gratidão por sua pergunta !

      Curtir

    2. complicado o sêr humano nesta vidar estar preparado para amar livremente,sem dor, sem odio, sem ciumes ,sem o poder de mandar no outro,é um conjunto de regras interiores sentidas que temos que cumprir com amor ,o ser humano ainda não tem esta capacidade de amar,respeitar, e doar sem receber nada em troca.. Na minha opinião aqui no planeta terra jamais vamos viver esse Amor. porque se fosse possível, era a perfeição era a evolução final do Mundo da Humanidade. Vamos viver sim esse amor um dia em outra dimensão evolutiva em outro planeta e não aqui na terra., A terra como planeta serve como uma escola e nós somos os alunos conforme os bons resultados dos exames é as notas de passagem de exame para outros locais mais evoluídos.

      Curtido por 1 pessoa

  5. Só complementando. Particularmente, acho muito mais difícil desapegar de ideias, sonhos, desejos. É como que se eu desapegar não estarei dando a devida atenção ou empenho para realizá-los, então fico ansiosa, aflita. Como lidar nesses casos?

    Curtido por 1 pessoa

  6. Oi Prema Shanti!
    Preciso muito deste workshop, venho de uma criação muito tradicional, e sofro muito com isso, não a bens materiais, mas com relacionamento, o ultimo que tive ele conheceu o Prem Baba, aprendi muitas coisas com ele, aprendi a amar até as escuridoes que o mesmo tem, falava sempre das páginas, mas sei lá, eu aprendi muito, mas sofro muito por ter saído da vida dele, libertei a pessoa dele para o mesmo encontrar o melhor, mas eu estou muito arrasada.
    Desde já agradeço
    Shirlei

    Curtido por 1 pessoa

  7. esse ideal filosófico não se aplica quando não é recíproco, e quando recíproco ultrapassará os limites e alguém se sentirá rejeitado. O ser humano é frágil e há que se considerar a naturalidade dessa fragilidade. A aplicação de tal filosofia em nossa sociedade é mera teoria. Logo se esvaéce em confusão…..

    Curtido por 1 pessoa

    1. O Desapego se baseia no Amor Incondicional. Concordo com você, enquanto estivermos esperando pela reciprocidade, nada funcionará. O que não funciona é a expectativa da reciprocidade, ela é a causa das mágoas e dos
      sentimentos de rejeição.

      Curtir

      1. Bos tarde Rosemary !
        O desapego não implica em falta de fidelidade.
        Pelo contrário, no momento em que o parceiro não tiver seu relacionamento mascarado pelos apegos e conseguir praticar o amor mais incondicional, poderá honrar os compromissos que assumiu.
        As traições e o descumprimento dos compromissos assumidos acontecem exatamente quando as pessoas vivem relações falsas. Relações que são mantidas apenas pelos apegos e não possuem mais amor.
        Quando você tirar todo o apego de um relacionamento, restará o Amor.
        Namastê

        Curtir

  8. Em teoria, concordo com a ideia do desapego. Na realidade gosto de receber, e por vezes espero receber atenção, carinho. E até hoje tem sido bastante positivo nas minhas relações. Apego-me a pessoas que me dão o que preciso, o que gosto, que me dão felicidade em troca, que me valorizam que me tratam bem. Canso-me de pessoas a quem dou e nada me dão em troca. Não será amor? Talvez, mas quanto mais a pessoa me dá felicidade, mais me apetece faze-la feliz e acho este comportamento bastante saudável. Este dar e receber.

    Curtir

    1. Não é bem assim, Angelina. Antes eu pensava assim também. Era totalmente apegada e dependente nos meus relacionamentos. E acabava perdendo minha identidade. Até mesmo no meu relacionamento atual, onde temos duas filhas… Eu comecei me questionar qual o meu papel, pois eu vivia tensa e com medo do futuro, insegurança por causa de ciúmes. E assim eu temia o futuro, não queria passar o resto da vida me sentindo assim, com medo de perder eu queria controlar, vigiar… Então comecei estudar muito em busca de auto-conhecimento. Ainda estou galgando mas já consigo experimentar um amor mais tranquilo sem esse medo e sem tantas cobranças. Porque eu passei a ME enxergar no outro e assim compreendi as necessidades dele e passei a respeitar tanto quanto gosto de ser respeitada. Por isso tenho certeza que é possível amar desapegadamente. Eu acho que esse workshop do Prama Shanti deve ser magnífico!

      Curtido por 1 pessoa

  9. Difícil é quando voe da liberdade pra pessoa que ama aí ela fazendo uso dessa liberdade se acha no direito de te trair e aí você tem que olhar nos olhos dela sorrir dizer que está tudo bem e que ainda poderão ser amigos ?? Não estou pronto para esse tipo de desapego é acho que nunca estarei

    Curtir

  10. Puxa vida, o tema” Desapegos dos relacionamentos” veio a calhar. Tento exercitar toda forma de me desapegar mas é em vão qdo. vc continua a amar a pessoa mesmo c o término do relacionamento. Me parece wue cada um sente de uma forma…impossivel sermod iguais uns aos outros. Um luto q vc QUER VERDADEIRAMENTE SAIR, deixo-o livre, desejo q seja feliz c a outra pessoa, mas nao consigo arrancar de dentro de mim. Sofrer é ignorância?

    Curtido por 1 pessoa

  11. ola,
    Em relação aos filhos, se aplica essa mesma regra ?
    pois tenho um amor, mas meus filhos são contra e prefiro me afastar de meu amor do que de meus filhos.
    obs: meus filhos são três e todos maiores de 21 anos. todos namorando e independentes.
    grata.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s